Depois do ano passado no Estado de Morelos[México], nesta décima segunda edição o  SOPA  regressa a Espanha e desta vez é na Galiza, um território que já nos acolheu em 2014.

SOPA [Congreso Internacional de Socialización del Patrimonio en el Medio Rural] Este ano continuará a ser itinerante e realizar-se-á nas zonas rurais da província de Ourense, na Serra Sul da Galiza, a partir de 2 a 8 de setembro de 2024. Este congresso realiza-se anualmente com o objetivo de explorar novas formas de abordar a relação património-comunidade, partilhar memórias colectivas e promover o intercâmbio de diversos saberes e processos de construção de conhecimento.

Nesta edição galega do SOPA, queremos colocar a VIDA NO CENTRO. Porquê? Porque a opção mais fácil para chegar a um centenário é viver na zona rural de Ourense, um território que triplica a taxa de longevidade da lendária Okinawa japonesa. Ali, onde a “fronteira” entre a Galiza e Portugal se torna a cordilheira do sul da Galiza e se chama Raia Seca e as montanhas têm nomes pré-romanos, encontramos vestígios de castelos, rainhas lobas, vales dos mortos, repúblicas democráticas esquecidas como Couto Mixto, vestígios do cristianismo Priscilianista em florestas e montanhas, e um território declarado pela UNESCO como Reserva da Biosfera, que abrange os municípios galegos de Os Blancos, Baltar, Calvos de Randín e Muíños, que serão as cidades anfitriãs este ano.

E que melhor homenagem para celebrar a vida do que dedicar o seminário deste ano aos idosos, que são frequentemente os principais protagonistas dos processos de socialização do património cultural e da memória colectiva, especialmente nas zonas rurais. Por isso, nesta nova edição do SOPA na Galiza, o seminário terá como título O MAIOR CONHECIMENTO, O MAIOR CONHECIMENTO.

Por todas estas razões, propomos que nos encontremos no próximo mês de setembro para debater e refletir sobre diferentes experiências, quer através das sessões regulares TEÓRICA  e PROJECTOS  ou o seminário. Para todos estes fóruns, abrimos um convite à apresentação de trabalhos/comunicações sobre reflexões ou projectos colectivos de diagnóstico-pedagógico, científicos e participativos.

Além disso, acompanhando estas sessões, haverá actividades como oficinas participativas, mesas de trabalho, refeições comunitárias, espectáculos audiovisuais, Barferences, T-stories ou visitas a projectos comunitários, dentro do contexto rural de Ourense, que nos permitirão um ambiente no qual trabalhar modelos de gestão social, facilitando o acesso e a transmissão do património em áreas rurais como gerador de outros horizontes, permitindo que os agentes locais desenvolvam actividades culturais e económicas inovadoras e sustentáveis dentro dos seus próprios territórios.

Porque as Serras do Sul da Galiza, tal como a SOPA,  ‘son  vida’.

Esperamos vê-los em setembro!